Por: Jânio Santos de Oliveira
Presbítero e professor de teologia da Igreja
 Assembleia de Deus no Estácio

Rua Hadok Lobo, nº 92 - Pastor Presidente Jilsom
 Menezes de Oliveira
Meus amados e queridos irmãos em Cristo Jesus a Paz do Senhor!




Aqui se encontra um Jovem por nome Davi, que venceu um grande gigante ( Golias ), filisteu que só de olhar para ele dava medo (17 : 4-7).

Sua altura era de 3 metros e 22 cm ; sua couraça de 60 quilos, mais ou menos; a ponta era de ferro e pesava, mais ou menos,7 quilos.

• ANTES DE ENFRENTAR O GIGANTE GOLIAS, DAVI PRECISOU ENFRENTAR "ALGUNS OUTROS GIGANTES":

1 . V, 28 = Davi enfrentou o ciúme de seus irmãos. Eliabe, o irmão mais velho, acusava Davi de "presunção" e maldade. A seus olhos, o jovem "queria aparecer" . Mas, o ciúme e o desprezo de seus irmãos foram superados por seu coração sincero.

2 . V, 33 = Davi enfrentou a objeção do rei, por sua compleição física. "Não poderás... pois tu ainda és moço" Ler agora a resposta de Davi o V, 37.

3 . Vs 38-39 = Davi enfrentou a inexperiência nas artes bélicas: Havendo o rei mandado que vestissem ao jovem com as armas de um guerreiro, este concluiu: "Não posso andar com isto, pois não estou acostumado, se não estava acostumado não poderia vestir .

DAVI PREVALECEU CONTRA O FILISTEU. A vitória de Davi sobre Golias resultou da sua fé em DEUS; fé esta já testada e comprovada na sua vida. Podemos identificar cinco fatores específicos conducentes ao seu triunfo:

(1) Davi tinha seu coração entregue a DEUS (16.7), e assim buscava continuamente a DEUS e a sua face ( 1 Cr 16.10,11; Sl 27.8).

(2) Davi tinha um carinhoso e profundo zelo pela honra e reputação do Senhor DEUS de Israel (vv. 26,36,46). Ele percebeu que Golias estava afrontando não somente os exércitos de Israel, mas o próprio Senhor DEUS.

(3) A confiança de Davi no poder do Senhor foi fortalecida pela sua lembrança das ocasiões anteriores em que ele clamara a DEUS por livramento e o recebera (vv. 34-37; cf. Sl 29.3,4).

(4) Davi confiava, não em si mesmo, mas em DEUS, para obter a vitória sobre Golias e os filisteus (vv. 37,45-47; cf. Sl 33.16,17; 44.6,7; Os 1.7).

(5) O ESPÍRITO do Senhor veio poderosamente sobre ele (16.13; cf. Zc 4.6).

Sempre que os filhos de DEUS enfrentarem problemas e situações parecendo intransponíveis, esses gigantes podem ser derrotados, se exercermos fé como Davi, e se dependermos do poder do ESPÍRITO SANTO (Ef 3.20,21; Fp 4.13).

Porém, os piores “gigantes” são os que residem dentro do próprio homem. Existem ainda, e muitos perigosos os “gigantes espirituais” que procuram nos escravizar no pecado e também desviar o crente dos caminhos do Senhor.

Mas quero destacar neste estudo os Golias que Davi o homem segundo o coração de Deus não conseguiu vencer.

Os “gigantes” que o rei Davi não conseguiu vencer, pois eram na verdade, desejos e pecados que residiam no seu íntimo, esses “gigantes” se instalam no coração do homem, é porque ele já não ouve mais a voz de Deus, e sim a voz do nosso pior adversário! Neste caso o que predomina é a investida do diabo para derrubar os servos e servas do Senhor: _ o orgulho – egoísmo – a rebeldia, levando-os a inevitável queda.

•  Vejamos agora os 5 gigantes que levaram ao REI DAVI À QUEDA.

I. A TENTAÇÃO:


As principais fontes usadas pelo maligno para tentar-nos são:

a) Concupiscência (Desejo intenso de bens ou gozos materiais e/ou Apetite sexual):

“...cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz.” Tg 1.14

Ao meditarmos nas palavras de Tiago, logo entendemos a fonte de tanta violência, de tantos males que atinge o homem. Levados pelo diabo, o homem no anseio de ver realizado o desejo de possuir algo, procedem cegamente e sem medir as conseqüências, sejam espirituais ou físicas partem para a prática de planos terríveis.

Amado do Senhor, quando nascer em tua mente (coração) o desejo intenso por alguma coisa, não se deixe levar pelo impulso, antes, analise a situação e veja como o Senhor será honrado e glorificado em teus atos.

b) Cobiça (Desejo sôfrego, veemente, de possuir bens materiais; avidez, cupidez e/ou Ambição desmedida de riquezas):

“Ora os que querem ficar ricos caem em tentação e ciladas... porque o amor do dinheiro é a raiz de todos os males...” 1Tm 6.9,10 (veja mais: Pv 28.20)

Quantos levados pela cobiça partem para a prática de males terríveis. Roubam aos homens e tentam enganar a Deus, quando se aproximam de uma igreja, visando o enriquecimento ou a prosperidade alardeada por muitos pastores.

É preciso estar atentos para que não venhamos a pecar, cultivando em nosso coração, mesmo que veladamente a cobiça ou o desejo insano pelos bens matérias. Bom lembrar-nos, servos santos, faltos de bens matérias sempre existirão sobre a face da terra (Jo 12.8).

O diabo dissimuladamente tem plantado nos corações a semente da tentação da cobiça, não permita que cresça.

C) Más companhias:

“Filho meu, se os pecadores querem seduzir-te, não o consintas.” Pv 1.10 (Veja mais: Pv 7.6; 16.29)

Outra forma esplendida que é usada pelo diabo para tentar o homem, está nas amizades que ele faz nascer entre os servos e os filhos das trevas. Estas amizades têm corrompido a vida espiritual do filho de Deus, quando induzidos, partem para a prática de atos que não condizem com o procedimento que deve ser observado e vivido.

Em Salmos primeiro há uma advertência séria sobre o convívio com pessoas indignas, está escrito: “...não anda no conselho do ímpio, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.” (Sl 1.1)

Infelizmente, muitos tentados teimam em prosseguirem contrariamente a estas ordenanças e o fim destes é a condenação.

Não há um grupo social que seja mais propício a ser tentado pelo diabo, vemos na Bíblia que todos estão sujeitos à tentação. Claro, que os cristãos são o alvo principal dele, afinal, os que andam nas trevas, já lhe pertencem.

Os homens são alcançados pelas tentações no desenrolar de suas vidas diárias, veja:

a) Em meio à pobreza:

“...empobrecido, não venha a furtar, e profane o nome de Deus.” Pv 30.9

Fica claro que o pobre em meio às muitas dificuldades que lhe sobrevém é alvo das tentações e precisa vigiar constantemente para não cair nas ciladas do diabo. A murmuração, descontentamento, inveja, infelicidade, etc. são instrumentos usados pelo inimigo para tentar-nos.

b) Em meio à riqueza:

“...estando eu farto, te negue e diga: Quem é o Senhor?.” Pv 30.9

A prosperidade em muitos casos é a desgraça do homem, levado pela sensação que tudo pode, esquecem-se do Senhor, negando-lhe no dia-a-dia. Consumando o pecado sugestionado pelo diabo. Soberba, orgulho, indiferença, altivez, etc. estão sujeitas a nascerem nos corações mais abastado.

c) Em busca do sucesso:

“...chegaram a Balaão, e lhe disseram... grandemente te honrarei... amaldiçoa-me este povo.” Nm 22.16,17 (veja mais: Dn 4.30; 5.2; Mt 4.8)

O diabo tem tentado a muitos com tesouros e honras, a exemplo do que fez com Balaão, mas, este soube dizer não à tentação e perseverou firme na comunhão com Deus.

Este é o nosso procedimento. Quando as portas se abrem com muita facilidade para o sucesso, é necessário averiguarmos o que está por trás e sabiamente ouvirmos a voz do Espírito de Deus e optarmos a sermos fieis. O diabo tem tentado a muitos oferecendo a fama, e sagra-se vencedor.

Entristeço-me ao ver o fracasso espiritual das “estrelas gospel”, que levados por toda sorte de influências, se entregam à aparência do mundo; com direito a fã clube, distribuição de autógrafos e o absurdo de cobrarem valores elevadíssimos para “louvarem ao Senhor!”.

As tentações são uma permissão de Deus na vida do cristão, não acontecem por acaso é um voto de confiança que nos é dado. O Senhor permite que o diabo invista contra a nossa vida, pois, antecipadamente já nos concedeu meios e revestiu-nos de poder e autoridade para nos levantar contra o maligno e sobrepormos a ele.

É bom recordar-nos que uma vida pura e santa, da qual derrama águas de amor, é o desejo do Amado Mestre para todos os homens.

O Senhor é a nossa força!

Ele sabe das limitações do ser humano, conhece suas fraquezas e a incapacidade de sozinhos conseguirem vencer o inimigo. Mas, o Senhor é bom! Providenciou meios eficazes que capacita o homem a lutar com superioridade e em nome de Jesus, pisar sobre a cabeça do maligno (Mt 22.44).

“Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel, e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação proverá livramento, de sorte que poderás suportar.” 1Co 10.13

Oh graças! Louvo a Deus pela afirmação tão especial que nos é feita, somos fortalecidos e capacitados a vencermos todas as tentações e armadilhas que o diabo tem colocado em nosso caminho. Amados do Senhor, não se deixem enganar, o Senhor não mente, se Ele afirma que é possível vencer “todas”, com certeza é verdade.

O Senhor tem ensinado que devemos “orar e vigiar” sempre. A parte que se refere à vigilância é negligenciada por uma porcentagem elevada do povo de Deus. O estar atento, nos resguarda de cairmos nas ciladas do maligno.

É necessário que o servo por meio da fé, tome posse da autoridade concedida pelo Pai Celeste e a use diariamente. Antes de iniciar suas atividades, deve-se reservar um momento para achegar-se diante de Deus e falar com ele (É preciso termos consciência que comunhão com Deus é na verdade laços profundos de amizade e companheirismo!).

E na autoridade que temos como filhos, é preciso proibir o diabo de agir contra nossa vida, família, bens, etc., e isto é feito levantando a voz e declarando, por exemplo: “diabo eu o proíbo de tocar em minha vida, em minha família, em meu trabalho, em tudo que é de minha propriedade, etc. em nome do Senhor Jesus.”

É pela fé que se toma posição! Acompanhada de uma vida pura, santa e segundo à vontade do Senhor; caso contrário é perder tempo e serás ridicularizado pelos seres espirituais das trevas.

“Sem fé é impossível agradar a Deus” Hb 11.6

“Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, orar e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então e ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra.” 2 Cr 7.14

“Todavia o Senhor é fiel; ele vos confirmará e guardará do maligno.” 2Ts 3.3

“Tu, porém, ó homem de Deus, foge destas cousas; antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão. Combate o bom combate dá fé.

Toma posse da vida eterna para a qual também foste chamado, e de que fizeste a boa confissão, perante muitas testemunhas.

” 1Tm 6.11,12É o sentimento que alguém tem quando deseja tomar uma atitude que contraria seus valores e crenças.

Provérbios 27.20 diz que “os olhos do homem nunca se satisfazem” Nosso rei em questão cobiça Bate-Seba, mesmo tendo mais de seis esposas e quem sabe quantas concubinas.
A tentação pode ser considerada como um teste difícil, uma provocação ou uma prova que se tem de transpor e sair vitorioso.

No aspecto espiritual, é uma tentativa satânica a fim de levar o homem a cometer atos que desagradem a Deus, e em seguida aprisioná-lo nas malhas diabólicas.

II. O ADULTÉRIO

Quando uma pessoa se entrega à tentação, pode se encontrar numa situação praticamente impossível, onde não tem força para resistir.

É essencial aprender como evitar essas situações difíceis. O exemplo de Davi sugere algumas coisas que vão nos ajudar.

(1) Devemos nos dedicar ao papel que Deus nos deu. Davi não se ocupou com seus próprios deveres.

2 Samuel 8 e 10 mostram que Davi era um guerreiro bem-sucedido.

De fato, seu papel como um dos primeiros reis era de comandante do exército de Israel. Ele corajosamente conduziu suas tropas a vitória após vitória.

Mas, num determinado ano, Davi ficou para trás e mandou Joabe e seus servos à batalha (2 Samuel 11:1).

Enquanto muitos dos homens de Israel arriscaram a vida na guerra, ele ficou na casa do rei em Jerusalém. Hoje, um dos fatores que contribui ao pecado é falta de ocupação e dedicação em nosso trabalho.

Homens desempregados mostram uma tendência maior de se envolver numa série de pecados, incluindo adultério, abuso de álcool e outras drogas, etc. Jovens ociosos tendem a se envolver em coisas erradas, por ter muito tempo livre. Mulheres sem responsabilidade participam mais das coisas do Adversário (1 Timóteo 5:13-15).

(2) Não devemos alimentar pensamentos errados.

Uma vez que Davi se colocou no lugar errado, ele foi tentado. Ele viu Bate-Seba, uma mulher bonita, tomando banho (2 Samuel 11:2).

Neste momento, ele deveria ter virado os olhos para outra coisa, procurando não pensar mais na imagem do corpo da mulher de outro. Nós não devemos hospedar pensamentos maus, porque levam às conseqüências graves (Jeremias 4:14; 6:19).

O domínio próprio, uma das características fundamentais do servo de Deus, inclui a disciplina para controlar nossos próprios pensamentos (Gálatas 5:22-23; 2 Pedro 1:6; Fp 4:8-9; 2 Coríntios 10:4-6). É bom lembrar que um passarinho pode passar por cima da nossa cabeça, mas não temos que o convidar a fazer ninho em nossos cabelos.

(3) Devemos respeitar as advertências sobre o pecado.

Davi ignorou, pelo menos, três advertências contra seu pecado, antes de ter relações com Bate-Seba. Primeiro, como conhecedor da palavra de Deus, ele sabia que sua cobiça e o ato de adultério são pecados contra Deus.

Mesmo entre dois solteiros, tais relações são erradas. Segundo, ele já era casado, e o compromisso de casamento deveria ter sido mais um impedimento.

Quantos homens têm evitado o pecado de adultério por causa de uma aliança ou fotografia da esposa, os lembrando do compromisso matrimonial na hora de tentação? Terceiro, ele sabia, antes de convidá-la para casa, que Bate-Seba era mulher casada (2 Sm 11:3).

Nós devemos sempre respeitar as advertências sobre o pecado e suas conseqüências, antes de cometê-lo.

(4) Não devemos procurar circunstâncias que facilitam o pecado. Davi estava no lugar errado e pensou nas coisas erradas. Cada passo o levou mais perto do relacionamento pecaminoso que ia piorar a vida dele e de outras pessoas. Quando ele perguntou sobre Bate-Seba e a convidou para a casa dele, ele se colocou numa situação onde a tentação seria mais forte ainda.

Ele já sentiu atração de longe, como resistiria quando estava a sós com ela? Há muitas lições aqui. A pessoa que sente a tentação de usar drogas deve ficar longe dos lugares onde as tem, e das pessoas que as usam.

A pessoa tentada a beber deve evitar bares e festas onde servem bebidas alcoólicas. Um casal de namorados deve evitar lugares escuros e isolados, e jamais deve usar roupas sensuais ou participar de atividades que enfatizam o sexo.

•  Como Davi multiplicou o seu pecado 

Uma série de erros e pecados mentais levou Davi ao ato de adultério. A Bíblia não oferece nenhuma cena romântica para justificar o erro. Simplesmente diz: “Então, enviou Davi mensageiros que a trouxessem; ela veio, e ele se deitou com ela” (2 Samuel 11:4).

Muitos filmes e novelas de hoje procuram colocar o pecado no contexto de romantismo e “amor” inegável.

Procura fazer do pecado alguma coisa bonita e agradável. Mas, as Escrituras relatam os fatos. Ela veio, e eles pecaram.

Neste momento, Davi deveria ter sentido remorso profundo e tristeza sincera. Mas, ele não virou para Deus naquela hora.

Achou que o pecado poderia ser escondido, e as conseqüências evitadas. Foi o começo de uma série de pecados que parecem tão estranhos na vida de um homem escolhido por Deus.

Ao adultério, Davi acrescentou mentiras. Quando soube que Bate-Seba estava grávida, ele chamou Urias para descansar em casa com a esposa.

Ele achou possível esconder seu pecado, enganando o próprio marido traído.

Mas Urias não facilitou o plano de Davi. Um soldado dedicado, ele recusou tirar férias quando os colegas estavam na batalha.

Frustrado, Davi avançou das mentiras ao homicídio. O próprio Urias levou a carta que selou a morte dele e de mais alguns soldados.

Neste plano sinistro, o rei envolveu mais uma pessoa. Joabe, o comandante do exército, serviu de cúmplice sem saber os motivos de Davi.

As tentativas de esconder o pecado geralmente levam o pecador ao fundo do poço. Davi, cujo coração costumava ser dedicado ao Senhor, se entregou ao pecado e à vontade do diabo.

•  Não escondeu nada de Deus 

Talvez Davi conseguisse enganar os vizinhos, e até o próprio coração. Mas, ninguém é capaz de esconder de Deus.

“E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas” (Hebreus 4:13).

Deus mandou Natã, um profeta, para confrontar Davi com seu pecado (2 Samuel 12:1-14). Ele contou a história de um homem pobre que perdeu sua única ovelha por causa da maldade do vizinho rico.

Davi ficou bravo, e demandou o castigo duro do ladrão. Falou que este homem teria que pagar quatro vezes o valor da ovelha, e que seria morto pelo crime. Natã disse a Davi: “Tu és o homem.” Ele o acusou de pecados contra Deus, contra Urias, e contra Bate-Seba. Davi confessou o pecado, e Deus lhe poupou a vida.

•  Conseqüências do pecado perdoado 

Deus não tirou a vida de Davi. Ele foi perdoado, mas ainda tinha que sofrer muitas conseqüências graves. Ele foi humilhado quando um dos próprios filhos tomou algumas de suas mulheres.

E, como Davi falou que o ladrão do cordeirinho deve pagar quatro vezes, ele mesmo pagou quatro vezes.

Tirou a vida de Urias, e pagou com a vida de quatro de seus filhos. O filho de Bate-Seba nasceu, e morreu logo depois (2 Samuel 12:15-25). Depois, Amnom foi morto pela espada de Absalão (2 Samuel 13:23-36). Joabe matou o rebelde Absalão (2 Samuel 18:9-18). Depois da morte de Davi, Salomão mandou que Adonias fosse morto (1 Reis 2:13-25).

As conseqüências do pecado de Davi mostram um fato importante. Deus pode perdoar o pecador, sem tirar todas as conseqüências do pecado. Há muitas pessoas arrependidas de seus pecados que ainda vão ficar muitos anos encarceradas. Há famílias destruídas por causa de pecados já confessados e perdoados por Deus.

Deus pode perdoar um assassino, mas este perdão não ressuscita a vítima.

Ele pode perdoar a mãe que abusou álcool ou outras drogas durante sua gravidez, mas a criança que nasceu com defeitos físicos ou mentais por causa desses vícios continua sofrendo.

Deus é capaz de perdoar as mulheres e médicos que fazem abortos, mas as crianças já mortas nunca nascerão vivas.

Muitos outros exemplos provam que o pecador perdoado, ou suas vítimas, podem continuar sofrendo depois do perdão. Através da fé, arrependimento e batismo, Deus lava os pecados e nos purifica. Assim, escapamos das conseqüências eternas do pecado.

Mas, às vezes, continuamos sofrendo as conseqüências temporâneas dos erros do passado.

III. A MALÍCIA

É a Tendência para o mal. Malignidade. Astúcia; esperteza.

A malícia é uma tendência para o mal que não se expressa à primeira vista. A malícia, inicialmente, fica encoberta e passa despercebida. A pessoa maliciosa maquina o mal em seu coração e suas ações são sutis, como se fossem uma teia para envolver a pessoa que se encontra em sua mira. È obra da carne (Gl. 5.19.20), assim sendo é contraditória à vontade de Deus.

A malícia representa uma tendência vigorosa para o mal, má índole, esperteza, astúcia, habilidade para enganar, artimanhas, falsidade, intenção maldosa, e fingimento.

A Bíblia registra casos de várias pessoas que, usando de má fé, malícia ou astúcia conseguiram concretizar seus desejos. Mas para todos os casos, o resultado foi a reprovação de Deus e conseqüentemente o Seu juízo.

A fraqueza é própria da natureza humana. Citemos o caso do rei Davi que era um homem segundo o coração de Deus (I Sm. 13.13-14). O pecado cauteriza a mente do homem!

Davi planeja o homicídio de Urias o astuto, Davi agiu como se estivesse enviando o guerreiro de volta ao campo de batalha, o próprio Urias (inocente, fiel) levava ao general Joabe uma carta do rei que ordenava a própria e injusta execução.

Em I Jo. 3.12-15 lemos assim a palavra de Deus: ”Qualquer que aborrecer a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem permanente nele a vida eterna”. Davi poderia ter restaurado a sua comunhão com o Senhor através do arrependimento sincero, de todo o coração, mas não teve forças para isso (Sl. 51).

IV. O ORGULHO

É um sentimento de satisfação pela capacidade ou realização ou um sentimento elevado de dignidade pessoal vaidade, ostentação .

O orgulho em algumas situações pode ser considerado como um sentimento de dignidade, de autoconfiança pessoal, brio, altivez, principalmente quando é vivido em um grau de satisfação e felicidade por algo conquistado. O orgulho é considerado pecaminoso pela Bíblia, ou melhor, pelo próprio Deus.

Traduz o conceito elevado ou exagerado de si próprio; o amor próprio exacerbado que leva à soberba, isto é, um orgulho exagerado; também considerado como arrogância, insolência e brutalidade.

Davi comete um erro O CENSO pensou que fazendo o censo de toda a nação, Deus aprovaria a sua atitude. Deus permitiu que Satanás tentasse Davi, após ter realizado muitos feitos e obtido grandes vitórias (2 Sm. 24.1).

Davi caiu no laço do engano, é bom observarmos que foi depois de grandes vitórias e realizações de Davi, que o diabo conseguiu essa brecha na vida do rei.

No capítulo 21.7 diz assim: ”E esse negócio também pareceu mal aos olhos de Deus, pelo que feriu a Israel”. É provável que o povo aprovasse o desejo pecaminoso de Davi, de recensear o povo.

O orgulho, visto como erro foi visto até pelo insensível Joabe que percebera que esse censo do povo era um grande pecado que envolveria todo o Israel na culpa. E aconteceu o inevitável: o povo ficou tomado de um espírito de orgulho nacional, e acabaram também participando do pecado de Davi, ficando todo o povo sujeito também ao castigo.

Ao numerar o povo, ele estava procurando exaltar a sua própria pessoa e o poderio militar da nação de Israel, e de depender unicamente desse poderio.

Tal presunção inevitavelmente torna a pessoa autoconfiante, tomada de superioridade e vivendo sem fé e sem humildade.

Davi deveria se lembrar de que todas as vitórias de Israel vieram pela mão do Senhor.

De igual modo, o crente nunca deve se gloriar em sua própria grandeza no reino de Deus, mas nas suas próprias fraquezas.

V. A TRAIÇÃO

É uma ruptura completa da decisão anteriormente tomada ou das normas presumidas pelas outros. (É o rompimento ou violação da verdade ou da confiança)

A traição é baseada na mentira. É um dos piores, senão o pior golpe que alguém pode receber de um amigo ou de uma pessoa que se considera ou que se ama.

Traição pode ser entendido como deslealdade, desapontamento da expectativa de alguém: é desvendar os segredos de outrem, entregar um amigo aos seus inimigos; é também decepcionar um amigo além de ser contada como engano, infidelidade, perfídia e desonestidade.

A traição fere muito porque vem sempre de alguém em quem se deposita confiança. Parece que, em conseqüência desse fato, torna-se mais difícil perdoar uma traição do que outra qualquer afronta.

Um fato que ilustra muito bem está registrado no Salmo 55. Davi orava pedindo ao Senhor socorro e fazia um relatório da situação em que se encontrava a cidade de Jerusalém.

Mesmo vivendo aquela situação de tortura, crimes e maldades sem limites, o que mais feria Davi e abalou o seu estado emocional, foi à traição de seu filho mais querido: Absalão (Sl.55.12-15).

A traição foi deveras um golpe muito forte para Davi. Homem acostumado a enfrentar inimigos valentes e sempre sair vencedor, agora se depara com outra espécie bem diferente de inimigo. Seu próprio filho o traia!

•  Vencendo os Gigantes nos Dias Atuais.

Os gigantes espirituais estão por toda parte, sempre afrontando os servos de Deus e desafiando-os a uma luta espiritual. A Bíblia nos apresenta alguns destes gigantes, os quais estão sempre diante de nós, tentado nos destruir. (2Co 12.8). Vamos analisá-los à luz da Palavra de Deus. (Sl1 19.130).

1) Vencendo o Gigante da Carne. A carne está ligada a nossa própria natureza, que quando não é vencida se torna um poderoso gigante contra o Espírito. “Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes se opõem um ao outro; para que não façais o que quereis.” (Gl 5.17). Como?

Revestindo o Senhor Jesus Cristo. (Rm13. 14).

- “Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências.”

Revestindo do Poder de Deus. (Lc 24.49).

- “E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder.”

Andando segundo o Espírito. (Rm 8. 4,14).
- “… que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito.” (v.4).

- “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, estes são filhos de Deus.”(v.14).

2) Vencendo o Gigante do Mundo. O mundo se apresenta como um gigante diante de nós. “Não ameis o mundo, nem o que há. Se alguém ama o mundo o amor do Pai não está nele.” (1Jo 2.15). Como?:

Pela fé. (1Jo 5.4).

- “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.”

Com bom ânimo, como Jesus. (Jo16. 33).

- “… no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.”

Não se conformando com o mundo. Conselho de Paulo. (Rm 12.2).

- “E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”

Não o amando. Exortação de João. (1Jo 2.15-17).

- “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo o amor do Pai não está nele.”

“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne. A concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.”

“E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.”

3) Vencendo o Gigante Satanás. Após sua queda (Is 14.12), Satanás tem se apresentado como um gigante para as pessoas, rugindo como leão. (1Pe 5.8).Como?:

Revestindo. (Ef 6.11).

- “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.”

Resistindo. (Tg 4.7).

- “… resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.”

Vigiando. (1Pe 5.8).

- “Sede sóbrios e vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar.”

Com armas espirituais: Fé, Palavra e Oração. (Ef 6.11-18; 2Co 10.4).

- “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo;”

“porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nas regiões celestiais.”

“Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes.”

“Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça,”

“e calçados os pés na preparação do evangelho da paz;”

“tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno.”

“tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus,”

“orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica por todos os santos.” (Ef 6.11-18).

- “Porque as armas da nossa milícia não carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas.” (2Co 10.4).

Resistindo-lhe com Fé, Palavra e Oração você vencerá na vida.

Resumo: Á vida é uma constante batalha. Durante nossa caminhada neste mundo encontraremos diversos gigantes com os quais teremos que lutar.

Nossa vitória está em saber que o que está em nós é maior do que o que está no mundo. (1Jo 4.4).

O Espírito Santo que habita conosco, estará em nós. (Jo 14.17), dando nos poder e as armas (1Co 10.4), para vencermos em nome de Jesus, amém!
0

Adicionar um comentário

    Carregando